quarta-feira, fevereiro 10, 2016

Corto Maltese em peça de teatro








Concerto em O Menor para Harpa e Nitroglicerina é um capítulo de As Célticas, obra notável de banda desenhada criada por  Hugo Pratt, protagonizada pela mítica personagem Corto Maltese.

Numa versão teatral de Carlos Carvalheiro, assiste-se à sequência dos factos históricos da insurreição irlandesa de 23 de Abril de 1916, com mais um massacre em Dublin, o que ocasiona prolongado confronto entre ingleses e irlandeses.

Corto Maltese vai chegar à Irlanda no Outono de 1917, portanto em cheio desse período histórico, e protagoniza um episódio dramático.

É esta trama, originalmente criada para BD, desenvolvida em linguagem teatral pela companhia Fatias de Cá-FdC, que tem sido representada em Tomar, mas que está agora em Lisboa, desde 23 de Janeiro do corrente ano de 2016.

A última representação da peça vai ter lugar no próximo dia 13 de Fevereiro, sábado, com início às 19h19, na Fábrica Braço de Prata.

Fábrica Braço de Prata
R. Fábrica do Material de Guerra, 1
Marvila
Lisboa

"Fábrica Braço de Prata, um centro cultural privado, criado em Junho de 2007, que inclui uma livraria, salas de exposições, sala de cinema e teatro, sala de espectáculos musicais, escritórios, restaurante e bar. O referido centro cultural encontra-se Instalado no edifício que resta da antiga fábrica de armamento, possivelmente a zona da sede, caracterizando-se pelo seu carácter erudito, cuja fachada apresenta pano central saliente, revestido a cantaria, portal protegido por grades, exibindo o escudo português e remate em frontão triangular, onde no tímpano se evidenciam as iniciais FBP, assim como símbolos alusivos ao trabalho e ao produto que se fabricava neste local."
-----------------------------------------------------

HUGO PRATT e CORTO MALTESE

Sínteses em jeito de comparações biográficas

 















Há muitas semelhanças entre Hugo Pratt, autor de banda desenhada, e Corto Maltese, herói de papel por ele criado. É um facto detectado pelos especialistas e pelos leitores mais atentos.

Todavia, um pormenor importante os distingue. Enquanto que Hugo Eugenio Pratt, como qualquer mortal, nasceu apenas uma vez - em Rimini, Itália, a 15 de Junho de 1927 - Corto Maltese nasceu duas vezes, por muito estranho que isso pareça, mesmo para uma personagem de BD.

A primeira foi quando o seu criador ficcional e gráfico lhe marcou, como data de nascimento, 10 de Julho de 1887. 
A segunda teve lugar no acto concreto da sua aparição como personagem de banda desenhada, no primeiro número da revista mensal italiana Sgt. Kirk, em Julho de 1967. É nessas páginas que se publicam as primeiras seis pranchas da novela gráfica Una Ballata del Mare Salato.

Quando Corto surge, a sua imagem não corresponde propriamente à de um herói: ele aparece amarrado a uma cruz decussata em cima de uma jangada que voga ao largo das ilhas Salomão, em pleno Oceano Pacífico.E representa, naquela obra, o papel de mero figurante.

Para cúmulo, as suas origens que posteriormente se vêm a tornar conhecidas, também não são brilhantes nem têm especial dignidade: nasceu em La Valetta, na ilha de Malta, fruto de relação casual entre a cigana andaluza Niña de Gibraltar, prostituta, e um marinheiro inglês da Cornualha, de passagem ocasional por aquela ilha mediterrânica.

Quanto a semelhanças entre a personagem e o criador, nenhumas até aqui, obviamente. Na realidade, elas detectam-se ao compararem-se com as características nómadas do seu progenitor - neste caso, o autor da ficção -, visto que Corto, sendo marinheiro de profissão, desempenhará, ao longo da saga, o papel de aventureiro errante, protagonista de peripécias em África, nas Caraíbas, no Brasil, na Rússia, na Irlanda, em Itália, mais concretamente em Veneza, cidade pela qual se sente da sua parte um subtil fascínio.

Aqui, a semelhança é flagrante. Pratt, embora nascido em Rimini, passou a infância e parte da juventude naquela belíssima cidade do Adriático, que sempre considerou como a sua verdadeira terra de origem.

E, tal como Corto, também ele viajou muito, tendo vivido mesmo em diversos países - além do seu país de origem, permaneceu durante algum tempo na Etiópia, mais tarde na Argentina, onde trabalhou bastante na BD, depois no Brasil (Baía, Amazónia), e finalmente, na Suiça, onde terminou os seus dias, vitimado por cancro, a 20 de Agosto de 1995.

Outras características coincidentes entre autor e personagem: ambos são atraentes e volúveis. Quanto a Pratt, a sua vida amorosa iniciou-se na adolescência quando vivia na Etiópia, com uma jovem etíope chamada Mariam. Depois desta foi Fernanda Brancati, mas também Erika, Leonora Schena, e várias outras namoradas, até chegar às três mulheres principais da sua vida: Gucky Wogerer, de origem jugoslava, com quem casará em Veneza, em 1953 (de cujo casamento nasceram Luca e Marina) e se divorciará em 1957. Gisela Dester, de origem alemã, que será sua assistente e companheira; e Anne Frognier de origem belga, com quem teve um filho, Giona, e uma filha, Silvina. Mas também teve uma filha com uma mestiça brasileira da Baía, e a seguir, numa breve passagem de vinte dias pela Amazónia, onde viveu com os índios Xavantes, por lá ficou um filho seu.

No que diz respeito a Corto Maltese, ele é um dos mais charmosos heróis de papel, capaz de impressionar fortemente as mulheres com quem se cruza - Pandora, Morgana, Banshee O'Dannon, Louise Brookszowic, a "bela de Milão", "Pezinho de Prata", entre outras - e torna-se evidente a sua atracção por algumas, mas jamais se fixará em qualquer delas.

Isto para que - como confidenciou Pratt numa entrevista - Corto se mantenha sempre disponível. Astuto enquanto ficcionista, o autor criou-lhe uma situação especial, a de estar fortemente ligado a um amor perdido, estratagema digno de um criador de génio.

Mas talvez para o mostrar sensível a uma certa nostalgia amorosa, Pratt inculcou-lhe uma bem humana reacção: a de não conseguir apagar da sua memória a recordação da jovem Pandora, que conhecera em 191 - tinha ele vinte e seis anos - numa ilha do Pacífico.

Uma outra afinidade entre autor e personagem advém do facto já muito divulgado de Pratt ser maçon. Em Fábula de Veneza, percebe-se que só alguém conhecedor das praxes maçónicas, e dos seus secretismos, poderia incluir, logo na página inicial, certas palavras porventura habituais naquelas cerimónias (proferidas por um encapuçado): "em nome da maçonaria universal, sob os auspícios da Grande Loja de Itália".

Ora enquanto personagem, Corto igualmente participa, embora acidentalmente, numa reunião de encapuçados maçons. E quando ele comenta "por certo os senhores são da Pitágoras", depreende-se que tem conhecimentos na matéria, mesmo que sendo apenas "o profano Corto Maltese", como lhe chama o "irmão Scarpetton", "Mestre Secreto".

Há ainda um aspecto que mostra como o autor se espelhou na própria personagem: é sabido que Pratt, na sua errante e bem preenchida juventude, chegou a cantar em festas. E Corto também gosta de cantar. Constata-se esse pormenor no episódio Concerto em O menor para Harpa e Nitroglicerina, quando sai da sua boca um balão de fala cheia de notas musicais, acompanhadas dos versos:
"Hoje sou um javali/ Sou um rei forte/ e vencedor/ O meu canto e as minhas palavras eram gratas noutros tempos...".

Restarão dúvidas de que Corto é o alter ego de Pratt?

Geraldes Lino
Texto publicado originalmente no fanzine Efeméride (#5-Julho 2012), na obra por aavv "Corto Maltese no Século XXI"        
-----------------------------------------------------
Os visitantes que estiverem interessados em ver o "post" anterior, poderão fazê-lo clicando no item Teatro e BD visível no rodapé