terça-feira, setembro 18, 2018

Autógrafos desenhados (XXVIII) -Trina Robbins



Em 1986 estava eu bem feliz  em Lucca, Itália, a participar no respectivo evento de BD, o Salone Internazionale dei Comics, del Cinema d'Animazione e dell'Illustrazione, primeiro festival europeu de grandes dimensões da especialidade, que nesse ano ia já na sua 20ª edição.
Numa das minhas deambulações pela pequena vila de características medievais, dei com o casal Trina Robbins e Steve Leialoha sentados numa esplanada. Meti conversa com eles e, claro, pedi um desenho a cada. O do Steve já o mostrei num post datado de 16 de Abril de 2017 (*), mostro hoje o de Trina.
........................................................... 
TRINA ROBBINS

Síntese biobibliográfica

Trina Robbins nasceu em Brooklin, Nova Iorque, a 17 de Agosto de 1938. É autora de BD e escritora de obras dedicadas à história da mulher como personagem de bandas desenhadas.
Enquanto autora, iniciou-se no fandom da ficção científica nos anos 1950, tendo colaborado no fanzine Habakuk, e tem participação na BD como desenhadora e argumentista, com destaque para Girl Fight Comics, 1972,1974; Dope, 1981-1983; The Silver Metal Lover, 1985; Misty,1985-1986; Gay Comix,1985,1986,1998; Wonder Woman (como argumentista),1986; California Girls, 1987, 1988; Wonder Woman: The Once and Future Story (argumentista), 1998; GoGirl (argumentista), 2000,2001); Honey West (argumentista). 2010; Honey West and the Cat (arguentista), 2013.
Como escritora de obras sobre BD, a sua bibliografia é importante:
- Women and the Comics, escrito em co-autoria com Catherine Yronwode (1983);

 
- A Century of Women Cartoonist (1993)
- The Great Superheroines (1996)


Fontes consultadas: The World Encyclopedia of Comics, editada por Maurice Horn (1998) e Wikipedia

(*) http://divulgandobd.blogspot.com/2017/04/autografos-desenhados-leialoha-steve.html 
---------------------------------------------------------
Os interessados em ver as 26 postagens anteriores deste tema (onde se incluem grandes nomes da BD, tais como Joe Kubert, Aragonés, John Buscema, Manara, Mordillo, Moebius, Neal Adams, Quino, Solano López, Juan Zanotto, Rick Veitch, Victor de la Fuente, Mézières (entre vários outros), poderão fazê-lo clicando no item:  Autógrafos desenhados inserido no rodapé.

sexta-feira, setembro 14, 2018

Homenagem ao autor de BD Relvas




Hoje, 14 de Setembro, sexta-feira, Fernando Relvas vai ter uma placa toponímica com o seu nome, não em Lisboa, onde nasceu, mas sim na Amadora, onde morou na maior parte da sua vida.
Trata-se de justa homenagem prestada neste ano de 2018 ao talentoso autor de BD pela Câmara Municipal da Amadora, representada pela Presidente e pelo vereador da cultura, que irão descerrar a placa (*), pelas 18h00, no logradouro dos Recreios da Amadora.

Nota a posteriori: a placa toponímica, de excelente aspecto, tem os seguintes dizeres, em maiúsculas:
                                   ESPAÇO
                          FERNANDO RELVAS 
                                    AUTOR
                      DE BANDA DESENHADA
                                 1954 - 2017
--------------------------------------------------- 
FERNANDO RELVAS

Síntese biobibliográfica (Versão Actualizada em 15 Set. 2018)
 
   

Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas, 20 de Setembro de 1954, Lisboa, 21 de Novembro de 2017, Amadora.

Relvas iniciou-se na BD em 1975, colaborando nos fanzines O Estripador e O Gorgulho. Estreou-se em 1976 a fazer tiras de banda desenhada caricatural e de fundo político num jornal, o Gazeta da Semana, com a personagem 'Chico', material posteriormente compilado em livro com o título do jornal.

Voltaria mais tarde aos jornais, designadamente a: Pau de Canela, O Fiel Inimigo (depois apenas Inimigo), Sete, GrandAmadora, Diário de Notícias, Mundo Universitário
Entre todos destaca-se o semanário Sete, onde teve extensa produção bedística, de 1982 a 1987: Concerto Para Oito Infantes e Um Bastardo, Niuiork, Sabina, Ai Este Chavalo Seria Tão Baril Se..., Herbie de Best, Sangue Violeta, Karlos Starkiller Jornalista de Ponta, todas a preto e branco, e Nunca Beijes a Sombra do Teu Destino, A Noite das Estrelas, O Diabo à Beira da Piscina, O Atraente Estranho, estas quatro a cores.

Há bandas desenhadas suas em várias revistas de BD: Mundo de Aventuras, ("0-3-0 O Controlador Louco"), Fungagá da Bicharada, Mosquito (5ª série), no respectivo suplemento "O Insecticida", Lx Comics e especialmente na Tintin, onde teve considerável produção (Espião Acácio, Viagem ao Centro da Terra, Rosa Delta Sem Saída, L123, Cevadilha Speed, Slow Motion, Kriz 3). 
 

Fez também BD em revistas de temas diferentes, nomeadamente Pão Comanteiga e Sábado ("O Rei dos Búzios").

Em 1990 obteve o 1º prémio do concurso "Navegadores Portugueses", organizado pelo CNC-Centro Nacional de Cultura, com a obra "Em Desgraça - As Aventuras de Vaz Taborda".

Tem obras editadas em álbuns: colaboração no colectivo "Noites de Vidro", aavv (1991); "Em Desgraça - As Aventuras de Vaz Taborda" (1993), "As Aventuras de Piri-Lau O Nosso Primo em Bruxelas" (1995), "Karlos Starkiller Jornalista de Ponta" (1997) - recolha da série homónima publicada no semanário Sete; "Uma Revolução Desenhada: o 25 de Abril e a BD" (1999).

Enquanto profissional da BD e Ilustração, editou ele próprio os seus zines, aliás prozines (Ananaz Q Ri e Ménage à Trois), mas colaborou também nos fanzines Édito, Quadrado (2ª série) e Efeméride (2014).

Em Setembro de 1989, no V Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto participou numa exposição colectiva; em Março de 1997 foi-lhe dedicada uma exposição, pela Bedeteca de Lisboa,  intitulada "Relvas à Queima-Roupa", com edição de catálogo; em 1998 foi um dos vários autores portugueses incluídos na exposição "Perdidos no Oceano", organizada em França pelo Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême, na edição desse ano.


Em Setembro de 2002 foi homenageado pela Tertúlia BD de Lisboa. 

Publicadas em língua inglesa tem as seguintes obras: Palmyra (2007), The Chinese Master Spy (2008), Li Moonface (2011), Ask a Palmyra: How Can Transgenic Fish Make You Sex Crazy? (2013).

Em 2012 realizou o seu primeiro filme de animação, "Fado na Noite", ambientado em Lisboa, nos meados do século XIX. O filme foi financiado pela RTP e Ministério da Cultura. 

Em 2013 foi-lhe atribuído um Prémio Nacional de BD/2012, na alínea "Clássicos da 9ª Arte", incidindo sobre o livro editado em 2012 "Sangue Violeta e Outros Contos", no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, onde, além disso, esteve representado na exposição "Relvas a Três Tempos". 


Durante 2014 realizou, mais uma vez como autor completo - argumento, desenho, legendagem e colorização -, a obra "Nau Negra", terminada em fins de Setembro, editada em Agosto de 2015, numa versão em inglês, redigida pelo próprio Relvas.


Em 2018 houve uma exposição de 22 autores portugueses, entre os quais Fernando Relvas, no Festival de BD de Bruxelas, a "Fête de la BD", patrocinada pela Embaixada de Portugal, Instituto Camões de Bruxelas e pela Bedeteca de Beja.
 
Como homenagem da Câmara Municipal da Amadora, em 14 de Setembro de 2018, no logradouro dos Recreios da Amadora, foi colocada uma placa toponímica com os seguintes dizeres: 
Espaço Fernando Relvas Autor de Banda Desenhada 1954-2017
Geraldes Lino

quinta-feira, setembro 13, 2018

Exposição de BD portuguesa em Bruxelas




"Fête de la BD" é o simpático nome do festival de banda desenhada de Bruxelas, que no corrente ano de 2018 tem início na próxima 6ª feira, dia 14 de Setembro. Ora o evento bruxelense, nesta sua 9ª edição, tem um aspecto que merece relevância para a nossa BD: uma exposição intitulada "Bande Dessinée Portugaise - 22 Auteurs Contemporains".
Por informação de Paulo Monteiro - que está por trás da iniciativa - tive conhecimento dos autores que estarão a representar a BD contemporânea portuguesa, através de 20 pranchas.
Aqui ficam os respectivos nomes (por ordem alfabética):
André Oliveira (argumentista), António Jorge Gonçalves, Diniz Conefrey, Fernando Relvas, Filipe Abranches, Francisco Sousa Lobo, Joana Afonso, João Sequeira, Jorge Coelho, Marco Mendes, Maria João Worm, Marta Teives, Miguel Rocha, Mosi, Nuno Duarte (argumentista), Nuno Saraiva, Osvaldo Medina, Pedro Leitão, Pedro Moura (argumentista), Ricardo Cabral, Sofia Neto, Sónia Oliveira. 
Também em Bruxelas, na famosa Grand Place, estará montada uma pequena mostra de 10 pranchas de bandas desenhadas daqueles autores, que estarão a ser apresentadas a quem passa, por Paulo Monteiro e José Francisco.
Uma excelente iniciativa, que conta com o apoio da Embaixada de Portugal em Bruxelas, Instituto Camões de Bruxelas, e Bedeteca de Beja/Município de Beja.
------------------------------------------------
Os interessados em ver posts anteriores relacionados com o tema Exposições BD Avulsas podem fazê-lo clicando nesse item visível em rodapé