quinta-feira, dezembro 15, 2011

Tintin e Hergé (XVII)

Tintim e Capitão Haddock tornaram-se famosos como "heróis" de banda desenhada, entre outros criados por Hergé. O curioso é que o cartunista Cid recriou três dessas personagens -Tintim, Professor Girassol e Milú - e meteu-as a contracenar com Angela Merkel (na pele de Madame Castafiore) num cartune, humorístico como é apanágio do género, mas num contexto de crítica política - o que também é muito comum no cartunismo.
Este engraçado cartune foi publicado no semanário Sol (9 Dezembro 2011), onde  Augusto Cid colabora na rubrica Cartoon.

Aliás, aproveito para explanar aqui uma ideia que desde sempre tenho defendido: o verdadeiro cartune é exactamente assim, numa imagem única. Quando o gag visual é desenvolvido em três ou quatro vinhetas, já se está em presença de um compromisso entre a banda desenhada e o cartune, muito próxima de uma banda desenhada curta, embora mantenha, de facto, o espírito do cartune, que é o de caricaturar situações na sua maioria de cariz político, ou personalidades também geralmente ligadas à política.
----------------------------------------------------
Os visitantes deste bogue que estejam interessados em ver postagens anteriores ligadas a este tema, poderão fazê-lo clicando sobre o item Etiquetas:Tintin e Hergé, visível no rodapé

7 comentários:

Pedro Lino disse...

É quase isso ;) Mas o Tintim é uma caricatura do Pedro Passos Coelho e o Professor Girassol do Vítor Gaspar (ministro das Finanças)

Paulo Marques disse...

Viva Lino! :)

Concordo em pleno contigo, na apreciação que tu fazes do cartune como sendo uma imagem única, pois é possivelmente esse aspecto o que o poderá diferenciar de outras linguagens artísticas como a Banda Desenhada! ;)

Muito bom também o cartune do Augusto Cid, cheio de humor e de sentido de oportunidade, como qualquer cartune que se preze!

Abraços Bedéfilos!


Paulo

Geraldes Lino disse...

Viva, filhão!
Agradeço a tua visita.
Olha, não tinha reparado nas semelhanças com essesdois políticos, mas aceito a tua observaçãocomo pertinente e perspicaz.
Importas-te que acrescente esse pormenor no texto?
Abraço.
Pai

Geraldes Lino disse...

Este teclado está perro,e por vezes, sem eu dar por isso, junta as palavras.
Será que está a precisar de ser limpo?

Geraldes Lino disse...

Viva Marques
Tenho a agradecer-te a visita, e o comentário.
Ainda bem que estás de acordo com o meu ponto de vista.
Abraço.
GL

Santos Costa disse...

Boa, Geraldes Lino (sem zone)!
Não podia deixar de entrar aqui, a comentar.
o Cid é, para mim, um dos melhores cartunistas portugueses, num traço particularmente adequado e mais difícil de realizar do que parece.
Depois, em três riscos, sem artifícios, consegue "apanhar" a personagem de forma a que esta se identifique sem legendas.
A caricatura e, nesta, o cartune, é uma forma de arte intensa, se bem que simples, pois reune num único boneco, uma situação política ou social de forma humorística e interventiva. Desde a ideia ou "chave" até ao pormenor final, há que puxar pela imaginação e rezar às Musas.
Fiz caricatura durante cerca de 5 anos no semanário "O Diabo", como sabes, onde também desenhou o Cid, antes de passar para "O Independente".
É um enorme prazer quando se apanha o boneco à primeira. Minha mulher era a primeira a ver o trabalho: se ela demorasse mais de cinco segundos a identificar a personagem (ou as personagens), redesenhava tudo, pois era sinal que não se identificava.
Soares, Ferreira Leite, Cavaco e Santana Lopes, saíam sempre à primeira tentativa; Sócrates - se não fosse a "penca" - custava a sair...
Um abraço para ti e votos de um Feliz Natal, amigo GL

Geraldes Lino disse...

Santos Costa
Basicamente, estamos de acordo acerca das virtualidades do cartune, na sua exigência de síntese quando se trata de "one shot", o verdadeiro.
Agradeço-te a visita.
Também para ti e família, Boas Festas e um Ano Novo com muita saúde, bastantes realizações pessoais e profissionais.
Abraço.
GL