quinta-feira, novembro 06, 2008

Festivais, Salões BD e afins - (Amadora) - 19º FIBDA 2008 - Prémios a autores e obras, portugues@s e estrangeir@s, referentes a 2007

Capa do álbum "Obrigada Patrão", obra da autoria (argumento e desenho) de Rui Lacas


Os troféus portugueses mais importantes, porque votados por um universo bastante vasto e heterogéneo, composto por autores, editores, críticos e coleccionadores (cujos nomes constam do mailing do CNBDI), foram entregues com "pompa e circunstância", numa sessão que, tal como tem acontecido nas edições anteriores, foi antecedida por uma divertida apresentação teatralizada, levada a cabo, desta vez e de novo, no edifício do antigo cine-teatro Recreios da Amadora, na área nobre da cidade homónima.
A seguir descrimino os autores e obras aos quais foram atribuídos troféus, bem como as obras e os autores nomeados em cada um dos itens:
Melhor Álbum PortuguêsObrigada, PatrãoRui Lacas – Edições ASA
Álbuns nomeados, além do vencedor:
Evereste, de Ricardo Cabral
O Corvo - Laços de Família, de Luís Louro (des.) e Nuno Markl (arg.)
Rei, de António Jorge Gonçalves (des.) e Rui Zink (arg.)
Vencer os Medos. AAVV
Melhor Argumento para Álbum PortuguêsRui LacasObrigada Patrão – Edições ASA
Autores de argumentos nomeados, além do vencedor:
Nuno Markl (O Corvo-Laços de Família)
Ricardo Cabral (Evereste)
Rui Zink (Rei)
João Paulo Cotrim (Vencer os Medos)
Melhor Desenho para Álbum PortuguêsAntónio Jorge GonçalvesRei – Edições ASA
Outros desenhadores nomeados:
Jorge Mateus (O Futuro tem 100 anos)
Ricardo Cabral (Evereste)
Rui Lacas (Obrigada Patrão)
Vários autores (Vencer os Medos)
Melhor Álbum de Autor EstrangeiroMuchacho (Tomo 2) – Lepage – Edições ASA
Outros álbuns nomeados:
A Ordem das Pedras, de Mézières (des.), Christin (arg.)
Armazém Central, de Loisel e Tripp
Apaches, de Giraud
O Santuário de Gondwana, de André Juillard (des.), Yves Sente (arg)
Melhor Álbum de Tiras HumorísticasZits - Amuado, Aluado, TatuadoJim Borgman (desenho) e Jerry Scott (argumento)– Gradiva Publicações
Outras obras em tiras de BD humorísticas:
Agnes-Estraguei o plano divino, de Tony Cochran
O Orlando Bloom estragou tudo, de Bill Amend
Os Sopratos-Pérolas a Porcos, de Stephan Pastis
Melhor Ilustração para Livro InfantilMadalena MatosoO meu vizinho é um cão – Planeta Tangerina
Outros autores e respectivas obras:
Bernardo Carvalho (A Grande Invasão)
Bernardo Carvalho (O Mundo num segundo)
Gary Larson (Há um cabelo na minha terra!)
Luís Henriques (Quero ir à praia)
André Letria (Não quero usar óculos)
Clássicos da 9 arte
Blueberry - díptico A Mina do alemão perdido e O Espectro das balas de OuroJean Giraud (desenho), Jean-Michel Charlier (argumento) – Edições ASA/Jornal Público
Outras obras nomeadas:
Iznogoud-O dia dos loucos, de Tabary (des.), Goscinny (arg.)
Marsupilami- O templo da Boavista, de Btem-Yann-Franquin
Wania-Escala em Orongo, de Nelson Dias (des.), Augusto Mota (arg.)
Melhor Fanzine
Venham + 5 (nº5) – Bedeteca de Beja/Câmara Municipal de Beja
Outros fanzines participantes:
Venham + 5 (nº4) - Bedeteca de Beja/Câmara Municipal de Beja
Prémio Juventude(atribuído por uma turma de Artes)
Wanya, Escala em OrongoNelson Dias e Augusto Mota – Gradiva Publicações
Troféu de Honra
(atribuído pela Câmara Municipal da Amadora)
Victor Mesquita
......................................................................................
Notas várias:
1) "Obrigada, Patrão" é a versão portuguesa do álbum original "Merci, Patron", lançado anteriormente em França pelas Éditions Paquet, que já havia sido distinguido em 2007 na categoria "Álbum Português em Língua Estrangeira";
2) A denominação "Melhor Álbum de Tiras Humorísticas" tem lógica, contrariamente à denominação "Melhor Cartoon" criada pelos prémios Central Comics, porque as tiras são de banda desenhada e não de cartunes.
3) Tenho pensado no facto de a publicação Venham+5 se apresentar como fanzine, e inclino-me mais para a hipótese de considerar que se trata de uma revista institucional, visto ser editada por uma entidade oficial, e não por um fã.
Inicialmente aceitei a denominação, porque, na realidade, quem está na génese da edição, Paulo Monteiro, é de facto um fã, a C.M. de Beja limita-se a dar apoio económico. Mas mudei de opinião (só os burros não o fazem, como disse alguém), atendendo até ao aspecto luxuoso e de dispendiosa execução técnica, só ao alcance de uma entidade oficial ou privada.

1 comentário:

Stuntman disse...

A edição Portuguesa do Obrigado Patrão tem a a capa mais sonça alguma vez vista. Porque raio não se respeitou o design da edição Francesa? era bem melhor