sábado, fevereiro 11, 2006

Autógrafos desenhados (III) - Autor: Quino

Desenho original realizado por Quino de improviso - Outubro de 1980, no bar do Hotel Napoleon, Lucca, Itália

Estávamos (eu e os meus amigos Vasco Granja e António Alfaiate) em Itália, na pequena cidade fortificada de Lucca, não muito longe de Pisa e Florença, na Toscana.

Lucca tinha sido a iniciante, em 1966, dos eventos dedicados à Banda Desenhada. Em 1980, realizava-se o décimo-quarto Salone Internazionale dei Comics (o termo tradicional é fumetto, fumetti no plural, mas para baptizarem o Salão de forma mais internacional, usaram "comics"), e como não era apenas a BD em causa, acrescentaram ao título del Cinema d'Animazione e dell'Illustrazione. Todavia, de forma bem mais sintética, escreviam nesse ano Lucca 14.

Com deslumbramento, em especial pela minha parte (o António Alfaiate já era quase "veterano" nestas andanças), eu ia ouvindo os nomes dos autores presentes, em conversas de acaso, ou nos debates, colóquios e mesas redondas.

O contacto casual com Quino, a simpatia personificada, foi um momento inesquecível. Também havia uma coisa que facilitava a comunicação entre ambos: já por essa altura eu dominava razoavelmente o idioma espanhol (castelhano, na realidade), língua materna dele.
-------------------------------------------------------------------------------------

QUINO


Síntese biográfica

Joaquin Salvador Lavado, conhecido pelo nome artístico de Quino, nasceu em Mendoza, Argentina, em Julho de 1932, tendo passado a viver em Buenos Aires, aos vinte e dois anos de idade.
Os seus inícios foram como ilustrador humorístico, até que, em 1964, se inicia na banda desenhada com a criação de Mafalda.
Por estranho que pareça aos incomensuráveis admiradores da personagem e da série, Quino decidiu abandoná-las em 1973. E até hoje, manteve-se inamovível da decisão.
Portanto, Mafalda "viveu" apenas nove anos, os suficientes para que, ainda hoje, os seus livros se continuem a vender.

Quino já esteve em Portugal, na Amadora e em Lisboa, e não houve quase ninguém que não lhe perguntasse pela Mafalda, a menina precoce e contestatária que mantinha com os pais e amigos da sua idade diálogos que, no fundo, tinham a ver com o tipo de problemática característica dos adultos que se preocupam com o que se passa à sua volta.
Claro que a série, sempre conhecida pelo nome da personagem principal, está protagonizada por várias crianças que, tal como Mafalda, fazem observações ou perguntas perturbantes aos adultos, como acontece na série Peanuts ou, mais tarde, com Calvin & Hobbes.
É esse o sortilégio de tais séries, que ganham uma dimensão crítica de que só se apercebe quem as conhece bem, e quem as lê atentamente.
Um exemplo disso é o seguinte diálogo entre o pequeno Joaquin e o avô:

-"Abuelo... tu casa es tuya, no? - pergunta Joaquin.
-Por supuesto, la compré quando iba a nacer tu papá.
-Es decir que antes te podias comprar un caserón y ahora papá sólo puede alquiar este departamentito de mala muerte.
-Era otra economia antes, nene.
-Abuelo, te puedo hacer otra pergunta?
-Para eso estoy, Joaquincito, a ver...
-Po qué los otros países mejoraran y éste empeoró? Por qué dejaste que nos hicieran esto?"

Será que aquela personagem criada por Quino estava a falar da Argentina ou de Portugal?

3 comentários:

Luís Graça disse...

Ó Lino, é geral! O mundo está todo feito num oito. Valem-nos estas memórias, estes pequenos ninhos de afecto que conseguiram acampar civilizadamente no nosso coração.

Geraldes Lino disse...

è verdade, Graça. Acertaste na "mouche"

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... » » »