quarta-feira, dezembro 09, 2009

Autógrafos desenhados (X) - Neal Adams

"Click to view" (Se no site de Neal Adams aparece esta chamada de atenção, que motivo tenho eu para me coibir de também o fazer?)

Por inexperiência que ainda tinha na época, no que concerne à obtenção de desenhos com autógrafos dos autores valorizados com a respectiva dedicatória em meu nome, não fiz esse pedido, e assim tão importante pormenor não consta neste excelente improviso de Neal Adams, obtido em 1980 no italiano Salone Internazionale dei Comics, delle Illustrazione e del Cinema d'Animazione - Lucca 14 
-----------------------------------------------

NEAL ADAMS

Síntese biobibliográfica

Neal Adams, autor/artista americano, nascido a 6 de Junho de 1941, em Governor's Island, Nova Iorque, após ter trabalhado em publicidade,torna-se assistente de Howard Nostrand em "Bat Masterson", e em 1959 assina vários episódios para "Archie".
Em 1962 inicia a sua colaboração com a tira de banda desenhada ("daily strip") de temas médicos, "Ben Casey", baseada na série homónima televisiva, o que faz até 1966, para a Newspaper Enterprise Association.
Em substituição de Lou Fine, Neal Adams trabalhou anonimamente, ou seja, como "ghost" (acontece aos melhores na BD americana!) na série "Peter Scratch", e também anonimamente, como assistente de John Prentice na famosa série "Rip Kirby".
Em 1967 entra para a National Periodic Publications (D.C. Comics), e após ter trabalhado nos títulos "Bob Hope" e "Jerry Lewis", começou a desenhar "Deadman", sob argumento de Jack Miller, na série "Strange Adventures". "Deadman" terminou em 1969.
Após isso, Adams trabalhou para a Marvel, nos títulos de grande popularidade "X-Men", "The Avengers" e "The Inhumans"; e para a National , "Teen Titans" e "Superman", além de ter ajudado "Batman" a regressar ao seu registo original de "criatura da noite".
Chegou também a colaborar no magazine National Lampoon.
Em 1970, ele e o argumentista Denny O'Neill criaram uma nova série para a National, "Green Lantern/Green Arrow", cancelada em Maio de 1972, depois de ter durado treze episódios.
Ainda na década de 1970, Neal trabalhou - embora num curto espaço de tempo - nas tiras de jornais da série "Big Ben Bolt" (baptizado em Portugal por "Luís Euripo", na [revista] Mundo de Aventuras), e foi autor de vários títulos, inclusive "Crazyman", bem como "ghost" em "The Heart of Juliet Jones" (série publicada a cores, durante anos, no jornal O Primeiro de Janeiro, do Porto).
Um ponto alto da carreira de Neal Adams foi ter sido eleito, em 1971, presidente da Academy of Comics Book Arts - ACBA, associação americana que engloba os profissionais dos "Comics".
Neste mesmo ano, foi-lhe atribuído o prémio francês "Phénix", por ter sido eleito como autor da "Melhor banda desenhada estrangeira, a "Green Lantern".


Claro que posteriormente já foi galardoado com vários outros prémios:

"Alley Awards", em 1967, na categoria de "Melhor Capa"; em 1968, na alínea "Melhor Argumento"; e em 1969, por ter sido considerado "Melhor Desenhador".

Em 1970 foi-lhe atribuído o "Shazam Awards".
Na década de 1980 o grande ilustrador trabalhou para a Pacific Comics, e fundou a sua própria editora, a Continuity Comics, pela qual editou Bucky O'Hare, Cyber Rad e Ms Mystic, esta última uma fascinante feiticeira, de longa cabeleira branca, queimada na fogueira durante a caça às bruxas de Salem (1692-1695), que "viveu", enquanto personagem de BD, entre 1982 e 1994, ao longo de nove edições. .

------------------------------------------
Deste mesmo tema há vários textos anteriores, relacionados com desenhos e autógrafos dos autores indicados na lista abaixo indicada.
Para quem quiser ver os respectivos desenhos, bastar-lhes-á clicar na etiqueta "
Autógrafos Desenhados" mostrada no rodapé deste "post".


(IX) Jun. 10 - Gary Erskine
2009 - daqui para cima

(VIII) Set. 26 - Enrique Breccia
(VII) Agosto 3 - Carlos Roque
(VI) Maio 19 - John Buscema
(V) Abril 13 - Mordillo
(IV) Março 25 - Moebius
(III) Fev. 11 - Quino
(II) Jan. 12 - Milo Manara
2006 - daqui para cima

(I) Dez. 26 - Aragonés
2005 - daqui para cima

10 comentários:

Asphodel disse...

Admito a pequena inveja que me deixou com este post.

O Neal Adams é dos meus autores de Comics favoritos...que deixou uma marca inultrapassável em todas as séries por onde passou. Sem dúvida, um marco da BD.

Geraldes Lino disse...

Acredito completamente na sua inveja. O mesmo aconteceria comigo se a situação fosse inversa.
(Você já uma vez me disse o seu nome, parece-me. Ou estou a fazer confusão?)

Asphodel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Asphodel disse...

Acho que nos conhecemos algures. Chamo-me Ricardo Correia ;)

(a mensagem anterior ia com gralha)

Santos Costa disse...

Ora aqui temos um desenho original (que o próprio autor classificou como o rogiginal Batman, na sua pespectiva criadora), o qual, realmente, enriquece essa tua já vasta galeria de originais de grandes autores.
Curiosamente, sempre - ou quase sempre - apreciei Neal Adams, o qual é mestre em portfolios (abrir http://www.nealadams.com/portprint.html.
Eu acrescentei "quase sempre", não foi? Pois bem, não apreciei o seu labor em "Green Lantern", pese embora considerar que esta saga tem os seus fãs.
Mandei-te um e-mail sobre a mensagem que não recebi. Como o assunto não é do foro público, veio a talhe de foice (subentede, a mensagem veio a talha de...foi-
-se!).

Santos Costa disse...

Não revi o texto, como manda o figurino, pelo que saíram daí gralhas voadoras. Repito-o, para que não haja confusão, com o pedido para eliminares o comentário inicial.

Ora aqui temos um desenho original (que o próprio autor classificou como "o original Batman", na sua pespectiva criadora), o qual, realmente, enriquece essa tua já vasta galeria de posters de grandes autores.
Curiosamente, sempre - ou quase sempre - apreciei Neal Adams, o qual é mestre em portfolios (abrir http://www.nealadams.com/portprint.html).
Eu acrescentei "quase sempre", não foi? Pois bem, não apreciei o seu labor em "Green Lantern", pese embora considerar que esta saga tem os seus fãs.
Mandei-te um e-mail sobre a mensagem que não recebi. Como o assunto não é do foro público, veio a talhe de foice (subentede, a mensagem veio a talhe de...foi-
se!).

Geraldes Lino disse...

Viva Ricardo Correia
Você sabe como levei algum tempo conhecer e a dar o nome a cada um do vosso numeroso grupo do IlustrArte: o André Oliveira (o primeiro que conheci, na exposição que vocês montaram na Faculdade de Belas Artes de Lisboa), a Sónia Carmo, a Ana Maria Baptista, o João Leal, o João Ataíde, o Ricardo Reis, e você, o Ricardo Correia... Como compreenderá, fixar também os pseudónimos de cada um de vocês vem ainda complicar mais... Até porque no contacto que temos tido na Tertúlia BD de Lisboa, quando você foi o Convidado Especial, na sua autobiografia não mencionou o seu pseudónimo internético, daí que eu não o tenha localizado (aliás, continuo a não entender completamente este uso sistemático de pseudónimo por parte dos cibernautas...
Abraço.

Geraldes Lino disse...

Viva Santos Costa
Percebia-se que havia gralhas no primeiro comentário: em "roriginal", em "pespectiva" e "subentede", mas todas elas irrelevantes.
Não te sabia tão grande fã do Neal Adams, o que só demonstra bom gosto e conhecimento da arte da BD.
Abraço.

Asphodel disse...

Compreendo a dificuldade, aproveitei penas a oportunidade para brincar consigo. ;)

Ah Geraldes, e é ImaginArte ;)

Abraço e um bom Natal

(não o sabia fã do grande Neal Adams, fica o bom -gosto ;) )

Anónimo disse...

Este desenho não é nada do neal Adams! É do Batemane! Mesmo com aquela dentuça feiosa não engana ninguém, papalvos á parte!

A interpretação que faço é: duas vacas, viradas uma frente a outra! Uma tem os úberes cheios, a outra diz: - Mééé!
"Mééé" em vacaense significa "Vota Sócrates, vota TGV"!

Trollopen