sexta-feira, outubro 14, 2005

Fanzines, esses desconhecidos (V) Juvebedê, fanzine com BD para a Juventude

F Capa assinada por Maia

Localiza-se em Lisboa a Associação Juvemedia, uma entidade sem intuitos lucrativos, cuja finalidade é, basicamente, a de organizar eventos e actividades para a juventude.

Uma dessas actividades, de contornos culturais, é a edição de uma publicação com o título "Juvebedê".

Classifico-a como fanzine por corresponder a vários dos requisitos desse tipo de publicações amadoras, sendo que dois deles são fundamentais:
1) Não é editada por nenhuma editora profissional (a Juvemédia é uma associação de finalidades não lucrativas, sobrevivendo à base de apoios diversos);
2) A publicação Juvebedê não é editada com finalidades lucrativas, visto ser distribuída gratuitamente.

Para alegria deste bloguista, por acaso é totalmente dedicada à banda desenhada, quer em textos críticos e/ou divulgatórios, quer em BD (embora escassa). Neste momento, a mais recente edição apresenta-se datada de Outubro 2005, e tem o nº 33.

Juvebedê
Formato A4, capa a cores, miolo a p/b, agrafada.
Director e Coordenador Editorial - Carlos Fernando Cunha.

Redacção: Alexandra Sousa, Carlos Fernando Cunha e Miguel Coelho (este está em Braga). Como colaboradores há ainda Pedro Cleto e Daniel Maia.
Lisboa 
-----------------------------------------------------
A propósito de Daniel Maia (eu ainda o conheci quando assinava Daniel Silva,depois passou para Dan e/ou Daniel Maia, agora na capa que se reproduz neste "post" assina apenas como Maia...), é ele o autor do argumento (pois, ele desenha bem, mas também faz o papel de argumentista quando lhe dá na bolha) da bd "Deus dos Tubos" - 1ª Parte, com Arte de Dinis Vale.
Não conhecem? Também eu não. O que posso dizer é que, pelo estilo, parece ter forte admiração pelo próprio Dan, perdão, pelo Daniel Maia, perdão, pelo Maia, o que não lhe fica mal.

A planificação da bd está boa, os contrastes claro-escuros equilibram-se em harmonia. Quanto à história, ainda é cedo para dizer algo de concreto. Publicam-se, para começar, seis pranchas nas páginas centrais. Continua (e conclui) no próximo número (onde é que eu já li isto?).

Quem estiver interessado em ver estas imagens iniciais, e quiser ver o desfecho da história, tem duas hipóteses: ou liga para o argumentista, Daniel Maia, ou pede ao Senhor Director (Olá Carlos Cunha), via email cunha@iol.pt, que o considere assinante, ele esclarecerá as condições que, para meu desespero, não consegui detectar na ficha técnica. Sei que, a sua tiragem de 400 exemplares, além de se destinar aos assinantes, é distribuida pelas Delegações Regionais do I.P.J. (Instituto Português da Juventude) e na Livraria Ler Devagar, onde costuma estar à disposição, gratuitamente, dos clientes. Esta livraria mudou da Rua de S. Boaventura (Bairro Alto), para o palácio que se situa no Alto de Santa Catarina, já na periferia do B.A.

Há muita informação disseminada pelo corpo do Juvebedê (na ficha técnica diz: "O Juvebedê é uma publicação (...)".
O pormenor de escreverem"o Juvebedê" deve vir do tempo em que admitiam a publicação como magazine amador, logo, um fanzine.

É habitual os editores de fanzines chamarem-lhes revistas, oque, em última análise, está certo: o magazine, publicação que deu origem ao neologismo fanzine. é sinónimo de revista.
Como escreveram os editores do Argon, pioneiro português, editado em Janeiro de 1972:
"Este fanzine é uma revista".

Mas, voltando à informação.
Aparece a rubrica "Os Álbuns Portugueses em Destaque" nos versos das capa e contracapa.
São referenciados criticamente: "Baby Blues 17 - Secos e Molhados", "Giuseppe Bergman" 9, "A Trilogia Nikopol", "Lucky Luke" 37, (Quer dizer: Os Álbuns de Autores Estrangeiros Editados em Portugal), "Cravo e Ferradura" (Ah, agora sim, Zé Bandeira, um português, viva!), "Red & Rover" 2, "Viagem Com Quino e Mafalda", "A última obra-prima de Aaron Slobodj" (mais um português, isto vai), "Sin City-A Cidade do Pecado" 1 - 2ª edição (O que é bom vende bem, ah grande Frank Miller, que eu conheci ainda jovem, no mais antigo evento bedéfilo que se realizava na italiana e linda Lucca, estava-se na gloriosa década de oitenta do século passado, ai, ai, o tempo passa), "Mutts" III, "Humberto Delgado, o General Sem Medo (de José Ruy, pois de quem houvera de ser, está em todas as frentes, o incansável), W.E.S.T. (Weird Enforcement Special Team), obra assinada por Rossi, Nury e Dorison, diz a ficha, além de dar um lamiré do que se passa na trama, localizada nos Estados Unidos, em Agosto de 1901.
Uma rubrica orientadora para a escolha entre o que se vai editando... e é muito, apesar de se estar sempre a dizer que a BD está em crise.

Há também espaço informativo em "JuveBreves".
Fala-se dos troféus Central Comics 2005, fiz parte do júri, puxei pelo Eduardo Teixeira Coelho para o Troféu Especial do Júri, mal sabia eu que, em 31 de Maio, o grande autor/artista português nos deixaria), fala-se de BDJazz no Diário de Notícias, regista-se o 3º Encontro de BD de Santo Tirso, Junho 17,18 e 19, haja Zeus que voltou a haver quem trabalhe para a BD no Norte, oh carago, está-se atento à publicação das pranchas diárias de José Carlos Fernandes que apareceram no matutino "Diário de Notícias", ao longo de dois meses a partir de 1 de Julho, faz-se saber que houve uma Tertúlia (este vocábulo não me é estranho) sobre BD em Braga, no dia 15 de Julho, organizado por "A Velha-a-Branca - Estaleiro Cultural" (que nome giro), com a presença de Arlindo Fagundes, Carlos Dias Tavares, Paulo Patrício, Pedro Costa (olá Arlindo Fagundes, olá Paulo Patrício, um abraço para vocês), e acontece que houve um ateliê de BD, entre Abril e Maio, e os alunos apresentaram os seus trabalhos sob a forma de um fanzine. Alto e pára o baile, isto tem a ver comigo, mais um fanzine, ora aí está uma boa notícia, obrigado Juvebedê!

Um pormenor relativo a este Juvebedê nº 33: faz parte dele uma separata, impressa apenas de um lado, com a indicação "Última Hora", com breves referências críticas a várias recentes edições, designadamente "1602" (volumes I e II), "Wolverine: Snikt", "Quarteto Fantástico - Imaginautas", "Cloudburst - Dilúvio Mortal", "Batman - Cidade Destroçada", "Hellblazer - Nas Ruas de Londres". Só que esta separata parece ter sido feita em menor quantidade, pelo que, na caixa cheia de exemplares que o Carlos Fernando Cunha (e sua mulher, Alexandra) levaram à Tertúlia BD de Lisboa, no dia 4 de Outubro, não havia nenhum exemplar que tivesse esta separata, só eu tive direito a uma, que me foi amavelmente oferecida pelo casal, com a indicação de que já não havia mais!

Enfim, além desta separata, há muito mais para ver e ler no fanzine Juvebedê.
A sério: há ali povo atento (Carlos Cunha, Miguel Coelho) ao contexto editorial, e a tudo quanto mexe na BD. Só lhes fica bem.

6 comentários:

Anónimo disse...

Hey, you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have a web hosting site/blog.
Covers web hosting related stuff.

Come and check it out! :-)

Anónimo disse...

Hey, keep up the great work with the blog!

~ Rebecca
Texas Holdem Poker Software

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Enjoyed a lot! northwest airlines visa manila Bluetooth headset mobile phone ritalin How to become a domain name registrar Serial spyware doctor Cholesterol score of 148 percocet Motor vehicle free automobile sales agreement forms And hytrin levitra Bob shemales 1987 pontiac firebird v-6

Roberto Iza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.