terça-feira, junho 24, 2008

1º Concurso Nacional de Jovens Criativos - Inclui BD e admite concorrentes até 35 anos!

Sublinhei, em pleno título do "post", o facto de este concurso admitir concorrentes até aos 35 anos, como resposta à reclamação de muitos autores de banda desenhada que se queixam de serem considerados "velhos" depois dos 30 anos.
A reforçar o ineditismo e a boa vontade dos organizadores, repito o texto de apresentação que recebi:
"Em parceria com o Gabinete da Juventude, o GDAC encontra-se a promover o 1º Concurso Nacional 'Jovens Criativos'. Este concurso tem o intuito de descobrir novos talentos a nível nacional em três diferentes categorias, Fotografia, Pintura, Banda Desenhada e Cartoon. Assim os jovens entre os 16 e 35 anos podem concorrer nas seguintes modalidades respeitando os seguintes temas:

Banda Desenhada e Cartoon - Cidadania
Fotografia - Diálogo Intercultural
Pintura - Juventude

Cada categoria terá três premiados sendo o valor:

1º prémio 1000 euros
2º prémio 750 euros
3º prémio 600 euros"

Fim de citação. Veja-se a frase, inusitada, "os jovens entre os 16 e 35 anos", uma espécie de elixir da juventude para quem se queixa do tal ostracismo após os trinta anos... E ninguém mais responsável para assumir a afirmação do que a dupla GJ-Gabinete da Juventude e GDAC-Gabinete de Desenvolvimento Associativo e Cidadania.

Muito importante:
As obras a concurso devem ser enviados por correio, considerando a data de 30 de Junho no carimbo dos correios, ou entregues directamente em

Câmara Municipal do Montijo
GJ e GDAC
Avenida dos Pescadores, porta 33-1º andar
2870-144 Montijo

Muito importante também:
Têm de ser cidadãos residentes em Portugal, mas, depreende-se, podem ser de nacionalidade estrangeira.

No que se refere à Banda Desenhada (não menciono outras formas de arte, visto que há blogues e "sites" nelas especializados, que farão, ou já fizeram, a respectiva divulgação), os concorrentes deverão ter em atenção o seguinte:

a) Cada banda desenhada é constituída por 4 pranchas originais, não editadas ainda, podendo ser a preto e branco ou a cores;
b) O formato das pranchas a concurso deve ser A4 ou A3
c) As pranchas devem ser numeradas no verso.
d) Em caso de publicação, as legendas, textos de balões e restante letragem terão de ser legíveis em formato A4, podendo os trabalhos em A3 ser reduzidos para metade (ora aí está uma pertinente chamada de atenção, porque às vezes os desenhadores não têm em devida conta este aspecto)

Os autores que visitarem este blogue, terão tendência para "stressarem" com a proximidade da data limite para concorrerem (repito: 30 de Junho). Mas, claro, eu conheço muito boa gente que tem na gaveta material pronto a publicar. Ora aí está uma boa ocasião para aproveitarem o trabalho já feito!

FICHA DE INSCRIÇÃO
Jovens Criativos
Modalidades Fotografia Pintura BD/Cartoon
Diálogo Intercultural Juventide Cidadania
Pseudónimo
Nome
Morada
Código Postal/ Idade/ Data de Nascimento
Telem./Telefone
Título da Obra
E-mail
O não preenchimento destes dados exclui a sua participação
A entrega desta ficha de inscrição implica a aceitação plena de todas as normas de participação deste concurso.

As fichas de inscrição podem ser solicitadas no GJ e GDAC, na morada indicada nuns parágrafos mais acima, mas também em
http://www.mun-montijo.pt/
na página da Juventude, newsletter do GDAC, ou pelos telefones 21 232 7867 e 21 232 7878, respectivamente.
Essa ficha de inscrição deve ser preenchida e enviada juntamente com fotocópias do BI, do cartão de identificação fiscal (nº de Contribuinte) em envelope devidamente fechado, acompanhando a obra a concurso e claramente identificado no exterior.

Mais informações:
Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo
Telefone 21 231 6797


Vamos lá, pessoal da BD! Às vezes, um arranque em cima da hora acaba por ser frutuoso.

12 comentários:

André Reis disse...

30 de Junho? Com apenas 6 dias, retirando já 2 de que não vou usufruir, não dá para imaginar a confusao que seria se eu tentasse participar :/

Se fosse antecipadamente anunciado, teria todo o gosto em participar.

Geraldes Lino disse...

Tem razão, André Reis. Mas acontece que tb eu só tomei conhecimento tardio, além de que não pude pôr logo o "post".
De qq forma, e tendo em conta que para fazer de raiz 4 pranchas são necessárias 2 semanas, no mínimo (isto se já tiver a ideia para um argumento), apenas afixei o regulamento para contemplar, como esclareci, autores que têm coisas na gaveta à espera de oportunidade.

Luis Peres disse...

Bom, tou lixado.
Já não sou jovem...Será que não haverá por aí um destes dias também um concurso para jovens até os 38 anos ?... :)

Há outra coisa aqui que me incomoda. Posso ter lido a notícia mal, mas é impressão minha ou neste concurso também pedem que sejam enviadas as pranchas originais ?...
Eu pela minha parte tenho imensa relutância em entregar assim trabalho de horas a fio, até porque já o fiz num par de concursos nacionais e o resultado foi que nunca mais vi os meus originais.

Será que numa era como a nossa toda moderna, não seria altura de se começar a aceitarem a concurso trabalhos de Bd entregues de outras formas. Hoje até ja existe a fantastica hipotese de um autor poder enviar um livro completamente publicado e tudo mesmo sendo autor amador e não estando ligado a editoras, bastando para isso usar o site POD do lulu.com para produzir um exemplar.

Porquê esta continua insistência de obrigar os autores a separarem-se as vezes para sempre de um trabalho que tanto custou a criar ?...

Fica aqui o pensamento, pois posso ter lido mal as regras deste concurso em particular.

Mas porque raio é que tem que haver um limite de idade nestes concursos ?

Geraldes Lino disse...

Viva Luís Peres
São raros os concursos que não impõem limite de idade, mas há-os. Eu já aqui divulguei, pelo menos dois: o ligado ao Salão BD de Moura, e o que era organizado pela Junta de Freguesia de Olhão.
Mas de facto, a maioria é dirigida ao pessoal considerado jovem, com menos de 30 anos (por isso eu sublinhei o facto de aqui falarem em "jovens até aos 35 anos". Já é um alargamento...
Quanto à exigência de as pranchas serem originais, prende-se com a intenção de, posteriormente, organizarem exposições. Digo eu, com a experiência que tenho tido com entidades organizadoras, como é o caso do Festival da Amadora. Se já lá foi alguma vez, lembrar-se-á de ter visto pranchas originais, que têm um aspecto mais natural do que as impressões.
De resto, as entidades organizadoras explicam sempre que as bandas desenhadas premiadas ficam em poder deles, sendo que as não premiadas serão devolvidas desde que os concorrentes as peçam, enviando envelopes devidamente selados, ou vão lá buscá-las pessoalmente.
Já agora, conte lá: onde é que lhe ficaram com pranchas (desde que não premiadas, claro)...

Anónimo disse...

Por mim, nem é o prazo nem as pranchas originais o que chateia. Mas sim o tema que escolhem sempre para concursos! Cidadania? O que dá para fazer com isto, é daquelas coisas que os jovens não sabem nada hoje em dia.

Pedem coisas de jeito e assim até se aproveita trabalho feito.

Luis Peres disse...

Começando pelo ultimo post do anónimo, essa dos temas obrigatórios para mim são terriveis, pois acho-os apenas uma limitação, até porque depois quase inevitavelmente o que não estara a ser julgado sera a qualidade artistica ou barrativa do trabalho mas mais se o tema esta bem abordado ou não.
Antigamente quando havia a moda dos Descobrimentos parecia que não havia concurso de bd nesta terra que não fosse obrigatoriamente sobre os Descobrimentos portugueses. E agora parece que a moda são os temas sociais politicamente correctos.
Sinceramente deixem essas coisas no seu lugar e abram concursos que realmente são sobre o que pretendem ser. Banda desenhada. E quem quiser trabalhar sobre esses temas acho muito bem e é louvável.
Agora, uma pessoa ter de trabalhar forçadamente numa temática com que não tem particular identificação a nivel de ilustração so para poder participar num concurso de Bd, é logo a partida reduzir qualquer hipotese de fazer um bom trabalho porque o entusiasmo não sera certamente o mesmo.

-------------------

Em relação á pergunta dos originais, no meu caso ficaram-me com dez pranchas a preto e branco algures numa câmara municipal já nem me lembro de onde há uns dez anos atras, mas não só.
Havia por volta de 1996 uma revista de divulgação comics portuguesa chamada "Heroes" se bem me lembro.
Na altura estavam a promover um concurso de bd com tema livre e entrei nele com a primeira versão a cores da minha bd das aventuras do principe ziph (do qual so me restam mas fotocopias a cores).
Passado um par de meses, os resultados do concurso nunca mais apareciam e no mes seguinte a revista pura e simplesmente sumiu do mercado juntamente com as minhas 6 pranchas originais a cores que tanto trabalho me deram.
A partir daí, acabou nunca mais participei em concurso algum e após uns 10 anos sem fazer bd, (por motivos de trabalho profissional em design), comecei no entanto a procurar maneiras de publicar os meus proprios trabalhos sozinho o que finalmente veio a acontecer ha´ um par de anos quando a qualidade dos serviços na net começaram realmente a justificar o empenho neste passatempo.

Como estou a gostar da experiencia espero continuar e não fosse o trabalho profissional, ja teria o livro 3 da minha historia de 4 tambem editado.
Como tambem nao estou nisto para fazer dinheiro por mim estou muito contente com o par de centenas de copias que ja vendi e com o apoio que tenho recebido dos leitores que felizmente parecem continuar a querer saber o que vai acontecer a seguir.

Por isso, pela minha parte, pelo menos de momento não estou a pensar tão cedo em entrar num concurso de bd sem ter boas garantias de que me devolvem os originais, isto caso seja algo que tenha a ver com o que gosto de desenhar e até resolva arriscar enviar algum original para qualquer sitio.
Camaras municipais com concurso está absolutamente fora de questão.

Daniel Maia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel Maia disse...

É pena que alguns interessados só agora, tarde demais(?), tenham sabido do concurso. Ele foi divulgado pela Bedeteca Lx e no CentralComics.com (http://www.centralcomics.com/index.php?option=com_content&task=view&id=151&Itemid=1), em inicio de Abril...

DM

|R|eject disse...

mmm a nao ser ke comecasse agora, e fizesse directas ate dia 30 talvez...!!!fica para a proxima :)

Geraldes Lino disse...

Viva Daniel Maia
Em conformidade com a tua informação, o concurso foi divulgado pela Bedeteca de Lisboa e pelo [portal] Central Comics. Claro que nem toda a gente vê todos os dias os mesmos espaços da Net, por isso aconteceu a alguns visitantes do meu blog somente através dele terem sabido da iniciativa. Julgo, todavia, que houve muitos outros autores-artistas a inscreverem-se, graças à informação dada atempadamente pelas citadas entidades, e que o concurso será um êxito, em termos de afluência de concorrentes.

Bongop disse...

Agradecia concurso para jovens de 44 anos (de qualquer maneira ... acho que tou bem coservado!)

Felizardo Cartoon disse...

Geraldes Lino é talvez o maior e mais empenhado, divulgador na nossa pátria lusa, no que à banda desenhada concerne . Este post vem de novo atestar, toda a dedicação que muitos lhe reconhecem, pois não aposta só nos consagrados que já fazem parte dos deuses do (...) " Olimpo glorioso,onde o governo está da humana gente ".

No que me diz respeito, vou continuar a acompanhar este magnífico blog, apesar de estar em convalescença de um severo esgotamento cerebral, motivado pelo enorme cansaço profissional, aliado à enorme frustação de nunca poder ter desenvovido uma embrionária aptidão para o desenho, pois tenho de colocar o pão na mesa para os meus filhos .

Sem querer ser lamechas, precisava de ter este desabafo, pois tenho sofrido horrores ao nível da insegurança, sobretudo a partir do momento em que resolvi concorrer pela primeira vez, ao Salão da caricatura de Vila Real, dinamizado pelo igualmente brilhante Dr. Osvaldo de Sousa. Cheguei a temer que os meus trabalhos nem sequer fossem expostos .
Descupe a acidez do discurso, mas precisava de exorcisar, toda este " turbilhão mental " .

Vou continuar a ler a sua escrita fluente ; conclusiva ; documentada e excepcionalmente bem fundamentada , enquanto estou para aqui em estado mais ou menos vegetativo .

A sua paixão pelo conhecimento da Língua Portuguesa, motivou-me a ter muito mais cuidado, na utilização da mesma, nos meus trabalhos . Também a si devo este empenhamento . O meu primeiro álbum, estava pejado de erros ortográficos e ainda fico com
" pele de galinha", quando olho para aquilo, com a impotência de não os poder emendar .

com os melhores cumprimentos :


Hermínio Felizardo