sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Comic Jam - 38ª prancha

A Tertúlia BD de Lisboa é, com certeza, o sítio na capital onde se podem encontrar mais autores de banda desenhada por metro quadrado.

Bom, há que esclarecer o seguinte: quando aqui no blogue se mencionam autores de BD, isso não significa - infelizmente - que sejam autores a tempo inteiro. Ou seja: na realidade são indivíduos - uns ainda muito jovens, outros já adultos - que vão fazendo bandas desenhadas nos suportes que lhes aparecem: álbuns (o mais difícil e raro), jornais, fanzines, revistas alternativas, revistas de outros temas mas que incluem alguma bd, blogues, enfim, onde calha...

Ora é exactamente esse género de pessoas que constitui uma boa parte dos participantes mensais da TBDL. Exemplo: no encontro realizado no passado dia 7 deste mês de Fevereiro, estiveram lá umas tantas que têm jeito para o desenho e que, num qualquer dos suportes antes mencionados, já tiveram bedês publicadas.

Nomeio-as por ordem alfabética: Álvaro, Ana Saúde, André Oliveira, Bruno Ma, Carla Rodrigues (que foi a Convidada Especial, e cuja autobiobibliografia podem ler no antepenúltimo "post"), Falcato, FIL, João Amaral, Moreno, Nuno Duarte aka Outro Nuno, Paulo Marques, Pedro Carvalho.

Entre todos, houve seis que se encarregaram de elaborar o comic jam (ou "cadáver esquisito") que ilustra o presente "post", e que foi iniciado, como sempre acontece, pelo/a Convidado/a Especial. Eis os respectivos nomes, seguindo a ordem das vinhetas:

1ª vinheta: Carla Rodrigues (C.E.)
2ª -------- : Pedro Carvalho
3ª -------- : FIL
4ª -------- : João Amaral
5ª -------- : André Oliveira
6ª -------- : Paulo Marques
---------------------------------------------------------
Os visitantes interessados em ver os numerosos "comic jam" já afixados, poderão fazê-lo com um simples clic sobre o item Comic Jam visível no rodapé.

5 comentários:

Paulo Marques disse...

Mais uma excelente prancha de "Comic Jam"! É sempre interessante podermos ver como se dá a evolução da BD, de vinheta para vinheta e como um artista pode mudar completamente o sentido da história, fazendo-a flutuar ao sabor da imaginação de cada um!

No que a mim diz respeito, foi uma satisfação poder participar nesta prancha repleta de zombies, ainda para mais me estreando nesse privilégio e responsabilidade de criar a vinheta final, contribuindo para o desfecho desta comic Jam! ;)

Grande Abraço!

Paulo

Santos Costa disse...

Já te disse, noutra oportunidade, que devias puxar ao papel impresso estas manifestações de arte, pois que o são.
Mas hoje o comentário é oportunista: remeto-te para o meu blog "incaracterístico" para veres o que fiz a um conto popular em três pranchas. Depois, se quiseres, vê o "record" que eu consegui com a escrita (sem o desenho, claro), com uma tiragem de exemplares na orden de 87.500.000 (oitenta e sete mil e quinhentos milhões de exemplares), impressos com os meus contos, e que dariam, ao todo, um livro de 1.500 páginas.
Um abraço, Geraldes-Lino

Santos Costa disse...

Emendo o extenso da enormidade: são oitenta e sete milhões e quinhentos mil exemplares. Mas lê o artigo, se tiveres tempo e pachorra. Não deixes de ver a banda desenhada do conto - "O Roubo da Corda"

Geraldes Lino disse...

Tal como tu, também tenho forte preferência pela edição em papel (não é por acaso que edito fanzines desde 1987).

E por isso mesmo, assim que começou, na Tertúlia BD de Lisboa, esta brincadeira do "comic jam" em 5 de Agosto de 2008, tive de imediato a ideia de que, após umas tantas pranchas, iria compilá-las e editá-las num fanzine.

Assim fiz em Julho 2009, num fanzine em formato A4, com capa em papel kraft de cor creme, incluindo dez episódios, reproduzidos apenas nas páginas ímpares, numa tiragem de 125 exemplares, vendidos praticamente ao preço de custo - 2€.

Passados quase três anos, ainda tenho exemplares! E isto apesar de nela terem colaborado 51 autores, potenciais compradores.

A realidade na área da BD, hoje em dia, é pouco entusiasmante, caro Santos Costa. Tu próprio tiveste a experiência que me contas.

Gostaria de ver essa tua bd com o conto popular resumido em três pranchas apenas, no teu blogue. Mas, apesar de já o ter visitado, não me recordo do endereço.
Podes indicar-mo aqui (até será útil para alguns visitantes)?

Santos Costa disse...

Amigo Geraldes Lino
Se clicares em Santos Costa (a azul) no início do meu comentário, saltas directamente para o blog.
Ou então:
bandarra-bandurra.blogspot.com

Abraço