quarta-feira, novembro 14, 2012

Improvisos na Toalha de Mesa (XII)




Não é habitual um autor de BD fazer de improviso, na toalha de mesa, uma imagem em registo de banda desenhada infantil. Mas foi exactamente o que fez Hugo Teixeira que se esmerou ao ponto de colorir a ilustração realizada na Tertúlia BD de Lisboa, no seu 340º encontro, que teve lugar no passado dia 6 de Outubro.

Haverá quem ache bizarro que um ilustrador/autor de BD, durante um convívio que inclui jantar, se dê ao trabalho de pintar um simples desenho feito de improviso na toalha de mesa.
Mas, no caso de HugoTeixeira, isso não será de estranhar, porquanto ele anda sempre com uma pequena mochila onde transporta um caderno de esboços e uma caixa de aguarelas. Foi com elas que pintou o desenho que ilustra o presente "post".

Aproveito para deixar aqui um recado à simpática Dona Gina, proprietária do restaurante que porta o seu nome, onde mensalmente se realiza a tertúlia: o Hugo Teixeira queixa-se de que o papel das toalhas de mesa já não é o que era há uns tempos atrás, ou seja, já não tem a mesma qualidade (para desenhar, claro...).
Efeitos da crise? 
-----------------------------------------------------------------

HUGO TEIXEIRA

Biobibliografia

Hugo César Ribeiro Teixeira nasceu a 1 de Setembro de 1980, em Amarante, em cuja escola secundária completou o 12º ano, e onde a BD fazia parte do programa de Educação Visual.

Impulsionado pelo gosto que sempre tinha tido pelo desenho, no 9º ano fez a sua primeira banda desenhada na disciplina de Português. Desde então, o seu currículo tem-se ampliado, com bifurcação para duas áreas, a das exposições e a da publicação das suas bedês, maioritariamente usando o estilo da BD japonesa (vulgo mangá).

No que se refere a exposições, participou no FIBDA - Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, em 2006; na Casa da Animação (Porto), no âmbito da entrega dos troféus do portal Central Comics, para um dos quais tinha sido nomeado, e numa dedicada em exclusivo à mangá, na Biblioteca Municipal Albano Cerveira, de Amarante, em Fevereiro de 2008.

Quanto à componente de publicação, teve a sua estreia no BDJornal, nº 14, Ag./Set. 2006, com as bandas desenhadas "Os Monótonos Monólogos de um Vagabundo" e "Um Olhar", ambas de sua completa autoria (argumento e desenho).

Em Agosto de 2007 colaborou no Tertúlia BDzine (nº116) com a mangá "Os Corvos de Guerra", dessa vez sob argumento de Vidazinha; ainda em 2007, fez para a revista BDVoyeur (nº2-Set.), "A Dança das Fodas", mas a capa da revista anunciava "A Dança das Fadas", e é esse o título que constará num currículo mais sério do que este. Ainda em 2007 (Out.), surgiu "Bang-Bang", a primeira mangá portuguesa editada em álbum, de sua total autoria.

Em 2008, mês de Janeiro, foi-lhe publicada a bd "ESC-S-H", uma prancha a cores, no jornal Mundo Universitário; meses mais tarde fez a bd "O Gato", sob argumento de Vidazinha, para o fanzine Tertúlia BDzine (nº128-Jun.); e a finalizar o ano (Outubro), realizou o 2º tomo da obra "Bang-Bang".

Logo no início de 2009, de novo em equipa com Vidazinha, desenhou o episódio "Tintim em Mundos Alheios", para a obra colectiva "Tintim no Século XXI", publicada no fanzine Efeméride (nº4-Jan.09). E em Outubro apareceu o título "Bang-Bang Ultimate", que juntava os dois volumes num só, estando a obra valorizada com dois capítulos novos.

Com data de Outubro de 2011, mais uma vez a fazer duo com a argumentista Vidazinha, realizou os desenhos, coloriu e legendou o álbum "Mahou. Na Origem da Magia", com a chancela das Edições ASA, uma editora do grupo LeYa.

Numa área bem diversa, a da apresentação pública, Hugo Teixeira tinha sido entrevistado por Machado-Dias para a obra Monótonos Monólogos de Um Vagabundo em livro (de capa brochada com badanas, e miolo de 58 páginas), editado por Pedranocharco, em Maio de 2009.


Geraldes Lino


-----------------------------------------------------------------
Para o caso de alguém querer ver outras ilustrações improvisadas reproduzidas nos 11 "posts" anteriores, poderá fazê-lo clicando sobre o item 
 Improvisos na toalha de mesa 
visível no rodapé

1 comentário:

Hugo Teixeira disse...

Isso da toalha é para o pessoal não abusar das tintas. É mais lisa e a tinta demora a secar.

Muitas vezes as toalhas normais vazavam à toalha de pano, isso é que não pode ser. tem que se poupar no detergente.

Abraço Lino